8 séries de TV recomendadas por George R.R. Martin

Publicado em: 13/04/2018


Recentemente, postamos aqui o teaser de Nightflyers, série do Syfy/Netflix que estreia em breve e que é inspirada numa história homônima de George R.R. Martin (traduzida aqui como “Voadores da noite” e presente na RRetrospectiva). Neste momento, o autor também está envolvido no desenvolvimento de cinco séries derivadas de Game of Thrones para a HBO. Como sabemos, o desfecho da adaptação de “As Crônicas de Gelo e Fogo” volta com sua última temporada apenas 2019. Mas não fique triste, há um monte de outras séries de TV interessantes para acompanhar em canais mundo afora!

Selecionamos cinco que George R.R. Martin já indicou, com entusiasmo, em seu blog pessoal e em entrevistas. E a maior parte delas já chegou ao fim, o que acaba sendo uma ótima pedida para quem curte maratonas!

 

GOOD GIRLS REVOLT (Amazon)

Duração: uma temporada, 2016

Inspirada no livro de 2013 de Lynn Povich, The good girls revolt, a série teve apenas uma temporada e, assim como o livro, é baseada em eventos reais.


No ano passado, Martin se mostrou impressionado com a produção:

“A outra série em que tropeçamos foi Good girls revolt, que dramatiza a luta das mulheres na Newsweek … er, News of the Week … lutando pela chance de trabalhar como repórteres ao invés de simplesmente pesquisadoras em 1969. Achei excelente. As atrizes nos papéis principais eram todas maravilhosas, e os personagens masculinos também eram bem diferenciados; a série retrata o sexismo de época, e os absurdos que as mulheres eram forçadas a tolerar, sem cair na armadilha de pintar todos os homens como monstros e idiotas. Bom roteiro e boa atuação, e ei, eu amei a trilha sonora e as roupas também (o que eu posso dizer? Eu sou o cara que escreveu “The Armageddon Rag”). Além de seus temas feministas, Good girls revolt também me pareceu a melhor série sobre jornalismo desde Lou Grant. E eu gosto de séries sobre jornalismo. Queria que houvesse mais delas. É uma pena que Good girls revolt não vai voltar para mais uma temporada. (…) Acho que só preciso ler o livro.”

 

ROME (HBO/BBC2)

Duração: duas temporadas,  2005-2007

Batalhas e intrigas políticas são pano de fundo do drama histórico Rome, série que narrou a transição da República Romana para o Império durante o século I a.C. Mostra personagens históricos reais, como Julius Caesar (Ciarán Hinds), Octavius, Brutus, Marcus Antonius e Cleópatra, tendo como protagonistas os soldados Lucius Vorenus e Titus Pullo, que tiveram suas vidas entrelaçadas aos principais eventos históricos da época.

Rome foi sucesso de audiência e crítica para a HBO e seus canais afiliados, ganhando quatro Prêmios Emmy em 2006 por sua primeira temporada. Em 2007, quando a HBO adquiriu os direitos de Game of Thrones, Martin elogiou bastante o que o canal estava fazendo com suas produções:

“A segunda temporada de Rome começou no domingo passado e está fabulosa; o visual, o roteiro, a direção, as atuações, tudo de primeira qualidade. É por isso que venho dizendo há anos que a HBO é o lugar perfeito para ‘As Crônicas de Gelo e Fogo'”.

 

DEADWOOD (HBO)

Duração: três temporadas, 2004-2006

Misturando fatos reais e ficcionais para mostrar a formação e crescimento de uma cidade no faroeste ao longo da década de 1870, Deadwood criou uma história cheia de violência e complexas relações humanas. Com elenco estelear, a série apresentou personagens baseados na vida real, como Al Swearengen (Ian McShane), proprietário de um bar e bordel, e Seth Bullock (Timothy Olyphant), xerife e coproprietário de uma loja de ferragens.

A série ganhou oito Prêmios Emmy e um Globo de Ouro. Seu cancelamento, considerado como precoce por muitos fãs e críticos, é lamentado até hoje. Martin sempre foi grande entusiasta da série, e ficou bem triste com por não ter havido mais temporadas:

“Não posso acreditar que a HBO esteja deixando Deadwood depois da terceira temporada. Ian McShane deveria ganhar um Emmy. Acabei de assistir ao episódio em que Bullock está tentando negociar a venda do estábulo entre Steve the Drunk e Hosteteler, nenhum dos dois querendo assinar o contrato primeiro.”

 

THE SOPRANOS (HBO)

Duração: Seis temporadas, 1999 – 2007

Umas das séries de TV a cabo mais populares da história, sucesso de audiência e de crítica, The Sopranos contou a história de um mafioso de Nova Jersey, Tony Soprano (James Gandolfini), que buscava ajuda de uma psicóloga (Lorraine Bracco) para lidar e balancear sua vida no mundo do crime e sua estrutura familiar. Com um elenco de ponta (Edie Falco, Christopher Moltisanti, Michael Imperioli) a série é ganhadora de vinte e um Prêmios Emmy e cinco Globos de Ouro, tendo pavimentado o caminho para a HBO e outros canais produzirem séries com personagens anti-heróis intensos e tramas tridimensionais fascinantes.

Martin sempre cita os principais sucessos da HBO como suas séries favoritas. Curiosamente, grande parte dessas séries tiveram que ser canceladas por questões orçamentárias, já que a HBO estava abrindo caminho para produzir Game of Thrones. No entanto, diversos artistas técnicos e diretores migraram de Rome, Sopranos e Deadwood para Game of Thrones mais tarde.

Em 2013, após o falecimento do ator James Gandolfini, Martin escreveu uma breve homenagem à Sopranos:

“Não me lembro de ter conhecido Gandolfini, embora tenhamos estado presentes em um ou mais eventos da HBO nos últimos dois anos, mas eu era um grande admirador de sua atuação. (…) Uma série fantástica, com um elenco fantástico… Gandolfini em primeiro lugar. Foi a série que redefiniu o drama na televisão, provando de uma vez por todas que o público seguiria de bom grado um personagem violento, cinzento e com falhas, desde que ele fosse interessante o suficiente. Uma série inovadora, uma série importante, ajudou a definir a “marca” da HBO e deu o tom para muitos dos seus grandes dramas, incluindo Deadwood, Rome, The Wire, Boardwalk Empire… e Game of Thrones“.

 

BATTLESTAR GALACTICA (Syfy)

Duração: quatro temporadas, 2003 a 2009
Embora não tenha curtido muito o episódio final da série (veja aqui), Martin rasgou-se em elogios a Battlestar Galactica durante os anos em que esteve no ar. A série, que é um reboot do clássico de 1978, conta a jornada da humanidade seguindo uma nave em busca de um lar nos confins do universo, após sofrer um ataque de destruição em massa. Design de produção e efeitos especiais da série eram um ponto forte, usados como pano de fundo para a interessantíssima trama  que envolvia discussões políticas, religiosas e sociológicas.

Anos mais tarde, o criador da série, Ronald D. Moore, também desenvolveria um projeto para televisão que iria alavancar uma legião de fãs de ficção científica, projeto esse que Martin também indicaria com muito carinho aos seus fãs.

 

OUTLANDER  (Starz)

Duração: quatro temporadas, série em andamento: 2014 até o presente

Aclamada série de livros de Diana Gabaldon, “Outlander” ganhou vida nas telinhas na adaptação de Ronald D. Moore, de Battlestar Galactica. Outlander segue a jornada de Claire Randall, uma jovem enfermeira do século XX que visita Inverness, na Escócia, e acaba deparando-se uma formação de pedras místicas que permite que ela volte para 1743, durante os conflitos dos levantes jacobitas.

Em 2016, George R.R. Martin disse que Outlander havia sido roubada nos Prêmios Emmy por não ter levado para casa as estatuetas pelas quais havia sido indicada. Em seu blog, ele contou que a sérietem um elenco muito inspirado, e que merecia ter sido contemplada com prêmios de atuação:

Outlander foi roubada. as três atuações foram incríveis… especialmente Tobias Menzies em seu papel duplo como Frank e Black Jack.”

Martin é amigo da autora dos livros, Diana Gabaldon, e sempre foi fã declarado da adaptação.

Além de Outlander, Martin cita, neste post, a atriz Eva Green, de Penny Dreadful, como merecedora a uma indicação:

“Claro, todo ano existem omissões. E agora está mais difícil do que nunca. Muitas séries ótimas para acompanhar (…)”.

 

THE EXPANSE  (Syfy)

Duração: duas temporadas, série em andamento: 2015 até o presente
Baseada nos livros de Daniel Abraham e Ty Franck, a série do Syfy se passa 200 anos no futuro. Com todo o sistema solar colonizado, um detetive, um oficial e uma executiva das nações unidas descobrem uma conspiração que ameaça toda a humanidade. Juntos, eles desbravam os planetas em busca de respostas.

George R.R. Martin é amigo de longa data dos criadores de The Expanse. Ty Franck foi seu assistente o auxiliando em inúmeros projetos, e Daniel Abraham escreveu as adaptações da graphic novel de A guerra dos tronos, além de ter criado histórias para a série “Wild Cards”. Ao lado de George R.R. Martin e Gardener Dozois, Abraham também assina o romance Caçador em fuga, publicado pelo LeYa no ano passado.

Quando Ty Franck se mudou para o Novo México com sua esposa, se uniu a Daniel Abraham, George R.R. Martin e outros escritores da área. Ty Franck era um ótimo mestre de RPG, e muitas vezes os três colegas se juntaram para jogar as aventuras idealizadas por ele. A história era tão interessante que, dali, surgiram os livros que inspiraram The Expanse, com Daniel Abraham e Ty escrevendo juntos.

Em seu blog, Martin sempre demonstra seu entusiasmo com The Expanse, apontando que a série de livros e sua adaptação trazem o melhor da ficção científica hoje:

“A série teve uma boa primeira temporada, mas ficou ainda mais forte na segunda. Se continuar nesse nível, merece estar classificada entre as melhores séries de ficção científica de todos os tempos. Atuação, direção, roteiro… e meu deus, os efeitos. As cenas no espaço, em particular.

Babylon 5, Firefly, e as vários sucessoras de Star Trek se mostraram  elegantes em seu tempo, mas The Expanse é para essas séries como Trek original foi para Rocky Jones: Space Ranger.”

 

I, CLAUDIUS  (BBC2)
Duração: Uma temporada, 1976.
Adaptação do livro de Robert Graves, a minissérie segue a história do Império rRomano, desde a morte de Marcellus (24/23 a.c.) até a morte de Claudius em 54 d.c. Enquanto Claudius narra sua vida, nós testemunhamos as tentativas de Augustus de encontrar um herdeiro, muitas vezes frustrado por sua esposa Livia, que quer que seu filho Tiberius se torne imperador.


Em algumas entrevistas, Martin compartilhou que considera esta uma das melhores séries de TV já feitas, e que foi influenciado pelos livros de Robert Graves:

“...Eu li I, Claudius e Claudius the God muitos, muitos anos atrás. E claro, eu amei a série de TV. Eu acho que a série é uma das melhores já feitas. Há rumores de que a HBO pretende refazê-la. Essa é uma ideia perigosa…

 

E você, tem alguma série do coração pra indicar para nós? Compartilhe suas preferências na área de comentários!


Compartilhe


Comentários