Expectativas para a sétima temporada – por Ana Carol Alves

Publicado em: 16/07/2017


*ESTE TEXTO CONTÉM SPOILERS*

 

Reinos, rainhas, dragões, lobos, guerreiros e batalhas que parecem infinitas. Game of Thrones retorna para sua sétima temporada, com estreia mundial em 16 de julho de 2017, e é um daqueles fenômenos culturais irresistíveis e celebrados com bastante entusiasmo, ano após ano. A série está em sua reta final: é a penúltima temporada, que terá apenas sete episódios e uma programação diferente. Tradicionalmente, a produção de David Benioff e D.B. Weiss era exibida sempre a partir de março ou abril ao redor do mundo. Este ano, Game of Thrones foi empurrada para julho por conta da logística de gravação e pós-produção, fazendo com que os fãs aguardassem ainda mais pelo retorno da série.

No material promocional da nova temporada vislumbramos a esperada chegada da rainha Targaryen, última de sua dinastia, a Westeros, bem como uma nova visão de mundo e novas jornadas para cada um dos personagens centrais da série. Muitos deles foram exilados durante anos, com a promessa de se reencontrarem para travar suas últimas batalhas antes de enfrentar o inimigo em comum: o inverno e o exército dos mortos. No entanto, hoje os protagonistas são pessoas completamente diferentes, e seus encontros, reencontros e batalhas internas poderão redefinir toda a concepção que temos deles.

O legado de Game of Thrones da HBO é inegável. Com o número recorde de prêmios Emmy na estante – nove estatuetas pela sexta temporada, e 38 na soma de todas as temporadas até a presente data, a série é a grande vitrine dos livros de George R.R. Martin, apesar de apresentar muitas diferenças em relação à obra original.

Essas diferenças começaram a aparecer com mais frequência durante o quinto ano da série, quando muitos personagens ainda vivos nos livros se despediram do enredo antes do esperado e a história apertou o passo. Prestes a iniciar esta sétima temporada, Game of Thrones ultrapassou completamente a história dos cinco volumes de As Crônicas de Gelo e Fogo, antecipando diversos pontos-chave do enredo que George R.R. Martin ainda está desenvolvendo. Sim, a série de TV está seguindo sua própria estrada, tomando a liberdade de modificar situações e motivações para o êxito da adaptação televisiva, que será encerrada entre 2018 e 2019.

Talvez o personagem que mais consiga retratar o completo afastamento da série em relação aos livros seja o Rei da Noite, líder do exército de criaturas do inverno que está em busca de confronto com os humanos por motivos ainda não esclarecidos. Curiosamente, é o rei do exército dos mortos o principal protagonista em toda a arte promocional da nova temporada, bem como em cada um dos trailers divulgados. Nos livros de George R.R. Martin, esse personagem está presente apenas em lendas e canções. Os membros da Patrulha da Noite quase não tiveram nenhuma interação com os mistérios do inverno, enquanto na série não só fomos inseridos dentro da batalha de Durolar, como vimos a origem dos caminhantes brancos com os filhos de Craster e a origem do Rei da Noite com o flashback dos filhos da floresta. Os vilões mágicos da série de TV já exibiram generosamente suas forças e fraquezas.

Enquanto as estradas de Jon Snow (Kit Harington), Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) e Tyrion Lannister (Peter Dinklage) alcançaram o último livro lançado – A Dança dos Dragões – no final da quinta temporada, diversas subtramas avançaram a um passo histérico, e outras tantas foram completamente cortadas, estraçalhadas, passadas na espada, para dar vida a novas. Isso certamente gerou e continua gerando muitas frustrações em grande parte do público entusiasta dos livros. George R.R. Martin já usou muitas vezes o termo “livro é livro, série é série”. Resolvemos fazer coro e traçar alguns paralelos fundamentais, mostrando que  a série de TV e os livros estão realmente contando histórias diferentes.

 

O QUE VEM POR AÍ

Curiosamente, todo mundo sempre acha que sabe o que vai acontecer nas temporadas de Game of Thrones. Talvez esse seja um legado herdado da época em que a série acompanhava os livros fielmente, e todo fã ou entusiasta se sentia um pouco parte do processo da adaptação, compreendendo com muita nitidez as escolhas narrativas, inserções e linguagens definidas pela produção da HBO. A verdade é que, por se tratar de uma história onde nada nem ninguém tem a garantia de estar a salvo, estamos todos no escuro, o que adiciona um nível extra de expectativa pela temporada.

Os primeiros trailers divulgados no último mês revelam apenas ideias gerais da trama que veremos este ano em Game of Thrones. Daenerys desembarca com sua frota em Pedra do Dragão, enquanto Cersei planeja como irá enfrentar seus inimigos em Porto Real, e Jon Snow inicia sua campanha de unificação dos reinos para salvar o mundo. Muitas imagens revelam três grandes batalhas que veremos em breve: Uma luta intensa no extremo Norte, e duas envolvendo Lannisters, Imaculados e dothraki em regiões ainda indefinidas de Westeros.

Todas essas situações são inferências da HBO, já que em As Crônicas de Gelo e Fogo a situação dos personagens ainda é outra: Daenerys acaba de voar pela primeira vez e está perdida nas Pradarias de Essos com os dothraki; Jon Snow ainda está morto; e Cersei ainda está planejando seus próximos passos depois de ter passado pela caminhada da expiação. E todas essas situações são ainda mais complexas, porque Cersei terá que passar por um julgamento não sabemos se e como Jon Snow voltará à vida e Daenerys está fisicamente debilitada, tendo deixado para trás um reino de caos em Meereen, com uma guerra civil acontecendo dentro das pirâmides, e uma guerra continental prestes a estourar do lado de fora. A batalha pelo domínio de Winterfell é iminente e a luta entre Boltons e o exército de Stannis promete ser digna de estar entre as melhores já escritas para o gênero. Shireen Baratheon ainda está sob os cuidados da mãe numa fortificação da Muralha, assim como Sansa, que ainda atende pelo nome de Alayne, está ocupada com os próprios jogos no Vale. Bran está conhecendo e aprendendo coisas sobre o passado de Westeros, fazendo o leitor chorar e delirar com cada descrição de suas viagens mentais pela história do mundo. Arya está tendo um treinamento ainda mais terrível e impressionante, aprendendo idiomas e feitiços obscuros, além de apurar sua habilidade como troca-peles e warg. Sim, nos livros tanto Jon quanto Bran e Arya têm relações mágicas com seus animais. E Rickon, pobre Rickon, ainda está perdido em algum lugar no extremo Norte. Mas com vida.

 

MORTOS NA SÉRIE, MAS VIVOS NOS LIVROS

Há ainda uma situação complexa e específica para cada um dos personagens que nem sequer são parte da série de TV, como Quentyn e Arianne Martell, Jon Connington e o Jovem Griff, Alys Karstark, o Príncipe Esfarrapado, Jeyne Westerling e Lady Stoneheart. Sem contar aqueles que ainda estão vivos, como os já citados Stannis e Shireen Baratheon, além de Mance Rayder, Barristan o Ousado, toda a família Tyrell (contando com outros membros que não estão na TV), Tommen, Myrcella, o cavaleiro Estrela Negra e tantos outros.

Isso sem falar em personagens que, embora apareçam na adaptação, acabaram sendo esquecidos ao longo da história, pelo menos por enquanto. É o caso de Gendry, bastardo do rei Robert Baratheon, visto pela última vez durante a terceira temporada na série, partindo de Pedra do Dragão num barquinho. Em tempo, o Gendry dos livros neste momento é parte de uma intricada trama ao lado dos membros da irmandade sem estandartes nas terras fluviais. Inclusive, Gendry é apenas um dos outros bastardos vivos de Robert Baratheon, já que também conhecemos os jovens Edric Storm e Mya Stone ao longo dos volumes.

Outro exemplo de personagem que a série descartou por longas temporadas sem maiores satisfações é o magíster Illyrio Mopatis. O rico mercador da cidade de Pentos que presenteou Daenerys com ovos de dragão e conspirou ao lado de Varys numa icônica cena da primeira temporada nunca mais apareceu, nem mesmo quando Tyrion e Varys buscaram refúgio em sua mansão antes de procurar Daenerys em Essos.

 

Sente que estamos dando detalhes demais? Esses são os livros de George R.R. Martin, e, se você ainda não iniciou sua leitura e gosta de Game of Thrones, prepare-se. Há um universo glorioso e infinito de personagens e histórias que falam sobre guerra, poder, dinâmicas de gênero, dinastias, religião e relações humanas, com pitadas de magia na medida certa. A série da HBO é de fato uma obra sem igual, mas os livros são ainda mais imperdíveis.

A sétima temporada de Game of Thrones também irá contar com muitas surpresas, como a participação especial do cantor Ed Sheeran, muitos encontros e reencontros e diversos novos cenários, criados em locações abertas como praias, ilhas e castelos medievais do País Basco, além de ruínas de um anfiteatro romano na Espanha e praias de areia negra na Islândia. Pelo menos o deslumbrante design de produção da série está mais do que garantido.

Quais as suas expectativas para o novo ano de Game of Thrones? Compartilhe sua opinião na seção de comentários.

Game of Thrones terá estreia mundial em 16 de julho, às 22h (horário de Brasília).


 

Ana Carol Alves é editora do o site Game of Thrones BR (www.gameofthronesbr.com). Mora em São Paulo, é formada pela Belas Artes e atualmente estuda harpa sinfônica na Escola Municipal de Música de São Paulo. Escreve sobre Game of Thrones desde 2011 e acredita que somos todos cavaleiros do verão  e o inverno está chegando.


Compartilhe


Comentários