Descanse em paz, Ursula K. Le Guin – por George R.R. Martin

Publicado em: 25/01/2018


Fiquei muito entristecido ao saber da morte de Ursula K. Le Guin, um dos maiores nomes da literatura de ficção científica e fantasia do último meio século.

Ao longo dos anos, tive a honra de me encontrar com ela algumas vezes, mas não posso dizer que realmente a conheci como pessoa. Nossos encontros se deram sempre em convenções, banquetes do prêmio Nebula ou oficinas de escrita, tendo sido todos eles breves e irrelevantes.

Mas é claro que eu conhecia a obra dela… como todos que se consideram fãs de ficção científica precisam conhecer. Contadora de histórias talentosa, dedicada à própria arte, influenciou toda uma geração de escritores que veio depois dela – incluindo a mim. A MÃO ESQUERDA DA ESCURIDÃO é um dos melhores romances de ficção científica já escritos, na minha opinião, e OS DESPOSSUÍDOS e O TORMENTO DAS TREVAS também são obras esplêndidas. Da mesma forma, a trilogia original “Earthsea” ocupa uma posição elevada no panteão da fantasia (ainda que tenha sido mal acompanhada de sua adaptação televisiva).

A Era de Ouro da Ficção Científica é geralmente reconhecida como a Era de Campbell na ASTOUNDING*, que tinha Heinlein, Asimov e Van Vogt como sua Santíssima Trindade. No entanto, uma era tão importante para mim quanto essa foram o fim dos anos 60 e início dos 70, quando a Santíssima Trindade era Roger Zelazny, Samuel R. Delany e Ursula K. Le Guin. Nunca haverá outros como eles.

O mundo ficou pior hoje.


Texto traduzido do post “Ursula K. Le Guin, RIP publicado originalmente por George R.R. Martin em seu blog oficial em 24 de janeiro de 2018. Link para o blog: http://grrm.livejournal.com/.


* Referência ao editor John W. Campbell e sua revista Astounding Science Fiction, que, na década de 1940, apresentou ao mundo, entre outros, os três autores que George menciona em seguida.


Compartilhe


Comentários